Teoria Básica da Psicologia das Cores

. Psicologia das Cores. Os fatores determinantes no estudo das cores são os elementos que agregam aos fenômenos visuais que dão substância básica daquilo que vemos. Estes fatores ou elementos são: o ponto, a linha, a forma, a direção, o tom, a cor, a textura, a dimensão, a escala e o movimento.

Estes elementos permitem através da associação com as cores fazermos as mais variadas combinações seletivas no trabalho com a cor.

Cromoloiga Teoria Básica da Psicologia das Cores

Segundo a cromologia uma determinada forma básica tem seu valor independente, que pode ser modificado associando ao fenômeno cromático afetando o estado psicológico das pessoas e seres.

O ponto na Psicologia das Cores

Qualquer ponto tem grande poder de atração visual sobre o olho, exista ele naturalmente ou tenha sido colocado pelo homem em resposta a um objetivo qualquer.

A linha na Psicologia das Cores

Quando os pontos estão tão próximos entre si que se torna impossível identificá-los individualmente, aumenta a sensação de direção, e a cadeia de pontos se transforma em outro elemento visual distintivo: a linha.

A forma na Psicologia das Cores

Na linguagem das artes visuais, a linha articula a complexidade da forma. As 3 formas básicas são: círculo, triângulo equilátero e quadrado.

Todas as formas são figuras planas e simples, fundamentais, que podem ser facilmente descritas e construídas, tanto visual quanto verbalmente.

A partir da combinação e variações infinitas dessas três formas básicas, derivamos todas as formas físicas da natureza e da imaginação humana.

Direção na Psicologia das Cores

As formas básicas também apresentam direções característica a elas: horizontal e vertical, diagonal e curva.

Tom na Psicologia das Cores

As variações de luz ou de tom são os meios pelos quais distinguimos oticamente a complexidade da informação visual do ambiente. Vemos o que é escuro porque está próximo ou se superpõe ao claro, e vice-versa. As relações são sempre por comparação.

Cor na Psicologia das Cores

Em sua formulação mais simples, a estrutura da cor pode ser ensinada através do círculo cromático. As cores primárias (amarelo, vermelho e azul), e as cores secundárias (laranja, verde e violeta) aparecem no diagrama. Pode-se incluir também as cores intermediárias a essas.

Textura na Psicologia das Cores

A textura é o elemento visual que serve de substituto para as qualidades de outro sentido, o tato.

Escala na Psicologia das Cores

Todos os elementos visuais são capazes de se modificar e se definir uns aos outros. O processo constitui, em si, o elemento daquilo que chamamos de escala.

A escala pode ser estabelecida não só através do tamanho relativo das pistas visuais, mas também através das relações com o campo ou com o ambiente.

Dimensão na Psicologia das Cores

Nenhuma forma de representação da dimensão é possível sem a ilusão. A dimensão está sempre implícita na forma e depende das relações feitas na composição. Ela fica bem evidente nas composições que utilizam a perspectiva.

Movimento na Psicologia das Cores

O elemento visual do movimento se encontra mais frequentemente implícito do que explícito no modo visual. Porém, o movimento talvez seja uma das forças visuais mais dominantes da experiência humana.

O movimento da composição acontecesse por causa dos elementos compositivos que o cérebro busca através do olho como os eixos de equilíbrio e os sentidos e direções presentes.